Communitas | Último Tipo

Rio que passa lá

E se um dia o rio Tietê começasse a falar? O que ele diria? Explicaria porque resolveu ir pelo interior afora ao invés de ir para o mar como os outros rios? Reclamaria de como anda doente em algumas cidades e saudável em outras? Ou contaria muitas de suas histórias, como aquelas vividas por homens em busca de ouro? Contaria algumas histórias terríveis, outras assustadoras?

Sim, falaria disso e muito mais, pois esse rio é um viajante que tudo vê e tudo sente. Está aqui e está lá ao mesmo tempo e tem assunto que não acaba mais. Neste espetáculo, o rio toma a forma de um viajante para falar com o homem de igual para igual. E junto com outros personagens, deixa claro, por fim, sua fundamental importância no ecossistema.

E para alegrar, essa fábula é salpicada por festas, tradições, danças típicas, músicas e elementos do folclore de várias cidades que são banhadas pelo rio Tietê, como o samba-lenço, a catira, o cururu e o fandango.

A música do espetáculo foi composta a partir dos ritmos tradicionais do estado de São Paulo, sobretudo a moda de viola e o samba-lenço, sem deixar de prestigiar ritmos universais, como o reggae, ou brasileiríssimos, como o frevo e o choro. Tudo isso dialogando em alguns momentos com a música eletrônica. As canções são todas executadas ao vivo, porém, em uma experiência inédita para o grupo Último Tipo, durante alguns momentos do espetáculo são usadas trilhas gravadas. Todas as músicas são autorais e inéditas.

A produção de materiais de cena, cenário e figurinos, como em todos os outros trabalhos do grupo, foi feita com materiais descartados, prezando a reciclagem e o reaproveitamento.

Trajetória

O espetáculo foi montado em 2014, com recursos oriundos do PROAC ICMS (Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo), e, desde então, circulou por mais de 40 cidades do estado, totalizando 111 apresentações. Dentre as empresas que patrocinaram o projeto estão a Man Filter, a Syngenta e a Cocipa.

Participou, ainda, de duas edições da Campanha de Popularização do Teatro de Campinas (2014 e 2015) e fez uma temporada de 6 apresentações no projeto Teatro nas Escolas, no Theatro Municipal de Paulínia, em junho de 2016. Atingiu uma média de 25 mil expectadores no total, desde a sua estreia.

Junto com a peça, foi lançado um livro com sua história, do qual foram distribuídos 19 mil exemplares. Ainda este ano, o grupo deve lançar um CD com as canções do espetáculo, que já está em fase de finalização.

Duração: 50 minutos

Ficha Técnica

Texto: Velu Carvalho
Direção: Déo Piti
Direção de Atores: Newton Murce
Preparação Corporal: Renata Oliveira
Figurinos: Déo Piti
Cenário: Último Tipo
Iluminação: André Salvador
Música: Déo Piti e Jara Carvalho
Gravações: Théo e Anselmo Carvalho – Estúdio PH Mix